Depois da “Laudato Si”, onde a abordagem papal apresenta o nosso planeta como casa comum poluída, uma crise sócio-ecológica, causada pelo ser humano, apelando no capítulo IV a uma ecologia integral,… surgiu a mensagem papal quaresmal com a insistência no evangelho da Criação.

(…) “Queridos
irmãos e irmãs, a «quaresma» do Filho de Deus consistiu em entrar no deserto da criação para fazê-la voltar a ser aquele jardim da comunhão com Deus que era antes do pecado das origens (cf. Mc 1,12-13; Is 51,3).”

Neste caminho até à plenitude e felicidade pascal, cada passo, ritmo, solidariedade,… é essencial para saltar as barreiras do pecado, não idolatrando um estilo de vida egoísta e consumista. A liberdade para a missão é essencial “ao reflorir” humano em comunhão com a melhor vontade.

Fazer greve a favor do clima? Essencialmente, limpa a praia e o monte, ou proporciona aos peixes crescerem no ribeiro baptismal, alimentando-os com o pão dominical, ou planta proximidade na vizinhança, ou cimenta comunhão nas catástrofes.

És livre para qual missão?

Que problema enfrentar? Com quem? Que meios temos e necessitamos? Quando começar e onde? A iniciativa é sustentável e integral? Que consequências no futuro? Como preservar a cultura local pelo tempo? Quem divulga? Que avaliar?

Depois do “Ver, julgar e agir”,… no essencial urge ser e viver em missão

Faz silêncio contemplativo, antes da atuação bem planeada para o bem comum.
Murmura, mas, essencialmente, convida o irmão à descoberta do amor de Deus e anuncia a hora para a despoluição em grupo com competência e generosidade. Vive a salvação do mundo em grupo pela liberdade da Missão.

Precisamos todos de uma conversão solidária e fraternal do coração e do olhar, dom do Espírito de Jesus Cristo, que “(…) torna capaz de ativar na vida e na missão da Igreja um estilo e uma práxis sinodal sempre mais correspondente às exigências do Evangelho e à tarefa urgente da evangelização”, bem como do dominar para servir, salvar, conservar, guardar,… toda a vida, integralmente.

Como diz o Papa Francisco: (…) “Que a nossa Quaresma seja percorrer o mesmo caminho, para levar a esperança de Cristo também à criação, que «será libertada da escravidão da corrupção, para alcançar a liberdade na glória dos filhos de Deus» (Rm 8, 21)”

Pe José Barros

© 2019 MCC - Diocese do Porto