“Novos caminhos para a Igreja e para a ecologia integral” é um mote que o último sínodo dos bispos refletiu a propósito da Amazónia e da Humanidade.
No dizer de Sophia de Melo Breyner Andersen seria “vida inteira” para o que dizemos como essencial e integral, ou como se afirma nos evangelhos: a vida verdadeira. Não abandonaremos em 2020 os rumos da atualização dos princípios da Doutrina Social da Igreja, da ligação à igreja, ou das mensagem papais.

Dom Vitorino José Pereira Soares, bispo auxiliar do Porto cuja ordenação episcopal foi a 29 de Setembro 2019, ajudar-nos-á com a sua oração e orientação para agirmos no espírito filial de Deus Pai e da mãe Igreja. Redescobriremos as sendas da verdade bíblica e inteira da renovação.

Os caminhos renovados, em conjunto ou em sinodalidade, calcorreiam-se com Jesus Cristo em proximidade e em liberdade como salvação. Será a via da amizade social e do diálogo em Graça, em totalidade,… a que une. Cuidemos de toda a vida e do ser humano.

Percorremos 2019 com a ecologia, com os jovens e com a integralidade? A vida integral ou completa vai muito para além da verde natureza e do justo salário! Que compromisso para a “vida de ultreia”, de “mais além” neste novo ano? E compromisso com quem e em quê?

Uma paz “sem vencedor e sem vencidos” é um mote poético para avançar em igual dignidade com imperfeições como as de 2019. A redenção superará com a Graça divina os limites humanos e o lodo do mundo. O pecado, a degradação,… afeta-nos e muitas vezes é “sofrimento imerecido” para milhares de vítimas.
As mensagens de Natal e ano novo nos façam progredir na receção do perdão e na emenda desta humanidade tão cheia de grandezas e misérias.

Em 2020, o percurso pessoal e de grupo, dará fruto ou furta-nos a “vida inteira”? Uma paz divina e igual dignidade como Filhos de Deus, desejo de muitos desde o batismo, nos impulsionem na grandeza cultural, social, eclesial e ecológica.

No “anunciar com liberdade” e “escutar com humildade” para melhor agir: eis a conversão que renovará o fiel, a Igreja, o movimento MCC e o mundo.

Pe José Barros

© 2020 MCC - Diocese do Porto