Subsecretariado

As estruturas de serviço são um elemento essencial no MCC já que são elas que realmente lhe dão forma e o tornam realidade. A vida do MCC depende em grande medida da vitalidade das estruturas de serviço.As estruturas, por sua vez, fazem-se realidade através dos dirigentes do MCC, os primeiros responsáveis por dar vida (encarnar) ao carisma e à mentalidade do Movimento e de tornar possível a sua acção evangelizadora. O MCC será o que forem os seus dirigentes. É necessário manter uma permanente atenção, a partir da oração, da reflexão e do discernimento comunitário, para que as Escolas e os Secretariados sejam sempre o que devem ser e para que sirvam o MCC.

Ideias Fundamentais(348-350)

Devido a dimensão da Diocese e ao crescimento do Movimento, o Secretariado Diocesano estabeleceu a criação três Subsecretariados. Para uma maior interacção e agilização de processos entre o Secretariado e as várias ultreias. Os Subsecretariados são Porto Centro, Porto Norte e Porte Sul.

Porto Centro

SubSecretariado do Porto Centro

Director Espiritual
Pe. Artur Jorge Silva Soares

Casal Presidente
Francisco Urbano Peixoto Sousa
Adelina Monteiro Macedo Sousa

Ultreia dos Carvalhos

Ultreia dos Carvalhos

Desenraizada da Ultreia de Gulpilhares, justificadamente pelo número crescente de cursilhistas dos lugares mais próximos, a Ultreia dos Carvalhos teve a sua primeira Ultreia Regional em 25 de Outubro de 1977. Foram seus primeiros impulsionadores os Padre Manuel Resende dos Santos, pároco de Argoncilhe, e Padre António Baptista de Oliveira, pároco de Sandim e Vila Maior que, durante vários anos, alternaram na direcção espiritual da Ultreia.

Desde a primeira hora e até aos dias de hoje, os sacerdotes Claretianos Missionários do Coração de Maria, do Seminário dos Carvalhos, apoiaram carinhosamente a Ultreia, disponibilizando o espaço indispensável para acolher as reuniões semanais.O entusiasmo da Ultreia tem muitos nomes, de entre os quais, alguns já estão na Casa de Deus Pai: o Rogério Tavares, o Ismael Espírito Santo, a Gracinda Cantinho, o Alberto, de Sandim, o casal António e Emília, de Sandim. A Ultreia tem realizado festas inesquecíveis, de entre as quais recordamos a Clausura do 107º.Curso de Senhoras, em 13 de Junho de 1981, no Pavilhão dos Carvalhos; a Ultreia Regional Diocesana, em 28 de Junho de 1981, um dos eventos mais marcantes da história do MCC da Diocese do Porto, do mesmo ano, a Clausura do 212º.Curso de Homens em 6 de Maio de 1992, no Salão do Centro Social de Argoncilhe e a Clausura do 157º.Curso de Senhoras, em 17 de Julho de 1993, em Olival. Serve as freguesias de Pedroso, Sandim, Argoncilhe, Olival, Seixezelo, Sermonde, Grijó, Sanguedo, Vila Maior, Mozelos, Lever e Crestuma.

Director Espiritual
Pe. Joaquim José dos Santos Campos

Casal Coordenador
Vitor Sebastião Costa Fidalgo
Fernanda Maria Lopes Sousa

Local
Seminário dos Carvalhos

Ultreia de Ermesinde

Ultreia de Ermesinde

A Ultreia de Ermesinde nasceu a 13 de Outubro de 1977. A sua história começa na esplanada de um café, mesmo ao lado da nova Igreja de Ermesinde, quando um grupo constituído pelo casal Maria Helena e António Machado; Abraão Arantes, José Barbosa, Serafim Lemos e Arlindo Leite, comprometeram empenhar-se na sua fundação, justificadamente com a passagem da Ultreia do Porto (até então a reunir no Ameal), onde iam, para o Seminário de Vilar, mudança que, para a maioria dos cursilhistas da área de Ermesinde ficou mais longínqua e dispendiosa.

A criação da Ultreia iria, também, servir as freguesias circundantes. Natural e imprescindivelmente tiveram o apoio de vários sacerdotes e, de entre eles: o Padre António Ângelo, Padre Costa Mota, Padre João Miranda Teixeira (depois Bispo Auxiliar do Porto), Padre Domingos Jorge. O Padre Luís Vieira dos Santos, então pároco de Ermesinde, desde logo deu o seu aval à criação da Ultreia, disponibilizando a Cripta da Igreja. São inúmeros os eventos que fazem da Ultreia de Ermesinde das mais frutuosas da Diocese, clausuras de Cursilhos, Encontros Vicariais, etc. Duas datais recordadas com grande saudade: a 9 e 14 de Janeiro, respectivamente falecimentos do Padre Francisco Marques Novo e Padre José Leal, dois incondicionais do Movimento dos Cursilhos que muito doaram  pela Ultreia de Ermesinde. A sua área de missão abrange: Água Longa, Águas Santas, Alfena, Corim, Ermesinde, S.Pedro de Fins e Valongo.

Equipa Coordenadora:
Director Espiritual
Pe. Vicente António Nunes da Silva

Casal Coordenador
António Oliveira Carneiro
Arminda Custódia Vilas Boas Oliveira

Local
Cripta da Igreja Paroquial

Ultreia de Gondomar

Ultreia de Gondomar

Nasceu em 21 de Janeiro de 1976.

Decorria o ano de 1975 já a caminhar para o seu termo e, quer o número já considerável de cursilhistas da Vigraria de Gondomar, e porque entre eles se contavam alguns dirigentes responsáveis como reitores e rolhistas de Cursilhos com provada experiência, também porque muitos sentiam dificuldades em frequentar as Ultreias na Igreja do Amial, são as maiores razões para o nascimento desta Ultreia.
À semelhança do que aconteceu com a gestação das outras Ultreias Regionais, aconteceram várias reuniões preparatórias até chegar a noite da grande festa, a 21 de Janeiro de 1976. No seu historial, a Ultreia de Gondomar conta inúmeros cursilhistas que por ela se dedicaram ao Movimento dos Cursilhos com invulgar carinho e generosidade. De entre eles evidenciamos da equipa da fundação o Padre Manuel Moreira de Paiva, pároco de Valbom e o Mário Domingos Marques dos Santos.Em Agosto de 1979, o Padre António Ferreira Vaz assumiu a Paróquia de S.Cosme de Gondomar e, simultaneamente, a direcção espiritual da Ultreia, iniciando uma nova etapa de dinamização e entusiasmo entre os cursilhistas da Vigraria.
Os Padres Capuchinhos desde sempre dedicaram à Ultreia de Gondomar um carinho muito especial, ajudando generosamente a “construir” um ambiente fraternal entre os cursilhistas, disponibilizando-se e disponibilizando a Cripta da Igreja, em S.Cosme, para a realização da Ultreia semanal. A missão da Ultreia de Gondomar abarca as freguesias de S.Cosme, Valbom, Rio Tinto, Baguim, Fânzeres, S.Pedro da Cova, Jovim, Foz do Sousa, Atães e Lomba.

Equipa Coordenadora:

Casal Coordenador
Dorindo António Silva Castro
Maria Orlanda Ferreira Camões Castro

Local
Padres Capuchinhos

Ultreia de Gulpilhares

Ultreia de Gulpilhares

Impulsionada pelo então Pároco de Gulpilhares, Padre Fernando Silveira Neves, a Ultreia de Gulpilhares nasceu em Julho de 1963. Dos iniciadores leigos, realça-se os nomes do David Madureira, Domingos Saldanha, Fernando Pinto, António Magalhães e Armando Nogueira, participantes no 1.º Cursilho da Diocese. Nos Cursilhos seguintes e, praticamente, até ao 10.º, em Dezembro de 1962, de todos saíram cursilhistas de Gulpilhares, que foram formando um grupo razoável que, partindo da Ultreia do Ameal, incentivaram a formação desta Ultreia. Dos sacerdotes, para além do Padre Silveira Neves, o Padre Gabriel Alves e o Padre Joaquim Sousa, da equipa espiritual desse Cursilho inaugural da Diocese, no tempo respectivamente pároco de Canelas e de Miramar, foram força decisiva.

Inicialmente reuniu no Salão da Junta de Freguesia de Gulpilhares, até ser construído, na paróquia de Valadares, o Centro Maria de Nazaré, com o esforço dos cursilhistas da região e em terreno cedido pelo Seminário da Boa Nova, para onde passaram as Ultreias semanais. Desde sempre, o Seminário da Boa Nova tem dado grande apoio à Ultreia de Gulpilhares, e de entre os seus sacerdotes, os cursilhistas não esquecem o saudoso missionário Padre Manuel Augusto Trindade, Reitor do Seminário e “um apaixonado pelo Movimento dos Cursilhos de Cristandade, participando em vários Cursilhos e, principalmente na assistência à Ultreia onde a sua presença irradiava uma profunda simpatia, bondade, alegria e seriedade”. Faleceu inesperadamente aos 63 anos, em 23 de Julho de 1995, vitimado por um enfarte do miocárdio, quando se preparava para a grande celebração final do V Congresso Missionário Latino-Americano, em Belo Horizonte, no Brasil.

Daqui saíram as Ultreia dos Carvalhos e a Ultreia de Esmoriz. São vários os eventos organizados pela Ultreia de Gulpilhares que muito contribuíram para o livro de ouro da História do MCC da Diocese do Porto e, de entre os quais, destacámos: Clausuras de três Cursilhos de Homens (125.º, 132.º, 140.º) e 1 de Senhoras (81.º), todos eles constituídos por elementos da zona da Ultreia de Gulpilhares, desde os novos aos dirigentes. Serve as freguesias de Gulpilhares, Arcozelo, Canidelo, Madalena, Serzedo, S.Félix da Marinha, Valadares e Vilar do Paraíso. Reúne no Centro Maria de Nazaré, em Valadares.

Director Espiritual
Pe. Emanuel António Brandão Sousa

Casal Coordenador
Joaquim José Oliveira Pinheiro
Cândida Maria Azevedo Vieira Pinheiro

Local
Centro Maria de Nazaré

Ultreia da Maia

Ultreia da Maia

A história da Ultreia da Maia começa em 23 de Novembro de 1984, com a clausura, em Gueifães, do 176.º Cursilho de Homens, donde saíram 11 novos cursilhistas. E em Janeiro sequente, com o 121.º Cursilho de Senhoras, donde saíram 8 “novas”. Numa reunião com os párocos da Vigararia da Maia, D. José Augusto Pedreira, então Bispo Auxiliar do Porto, manifestou a vontade de que o Centro de Ultreia da Maia fosse uma realidade. De imediato os sacerdotes deram o aval, doando a sua disponibilidade e, de um modo particular, o Padre Alcindo de Azevedo Barbosa, pároco de Moreira da Maia, sendo seu primeiro director espiritual. Várias reuniões preparatórias foram realizadas, e a clausura em Gueifães do 176.º Cursilho de Homens, em Novembro de 1984, da qual saíram 11 novos cursilhistas, foi decisiva para o nascimento da Ultreia, que aconteceria na semana seguinte, a 23 de Novembro. Logo no Cursilho seguinte, o 121.º de Senhoras, 8 novas cursilhistas vieram solidificar o entusiasmo, apesar de nesse tempo as esposas reunirem separadas dos maridos. Depois foi um sempre crescer para amar. Começou por reunir-se num anexo em madeira junto à Igreja de Nossa Senhora do Bom Despacho, cedido pelo pároco, Padre Pinheiro Duarte.

Pouco tempo depois, justificado pelo número sempre crescente de cursilhistas, os Padres Missionários Combonianos disponibilizaram, no seu Seminário da Maia, uma sala, mais ampla e com melhores condições, para a festa semanal em Decolores. É de salientar o particular carinho e disponibilidade com que os Padres Missionários Combonianos do Coração de Jesus têm dedicado à Ultreia da Maia, exemplificado aquando de obras de remodelação e conservação onde chegaram a dispensar espaços de seu uso pessoal para que a Ultreia semanal não fosse prejudicada. De entre a sua área de evangelização contam-se as freguesias da Maia, Moreira, Vermoim, Pedrouços, Nogueira, Águas Santas, Santa Maria de Avioso, Corim, Folgosa, Gemunde, Gueifães. Reúne no Seminário dos Padres Missionários Combonianos.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Pe Samuel André Carvalhas Félix

Casal Coordenador
António Silva Ferreira Barbosa
Alexandrina Amorim Ferreira Matos Barbosa

Local
Centro Paroquial de Vermoim

Ultreia de Matosinhos

Ultreia de Matosinhos

Segundo dados adquiridos junto dos pioneiros, a Ultreia de Matosinhos nasceu em Outubro de 1964. A sua história começa quando o Padre Valdemar Pinto, do Secretariado Diocesano, reuniu com o Padre Alcino Vieira dos Santos e o Padre Martins Fernandes, ao tempo respectivamente pároco de Leça da Palmeira e pároco de Matosinhos, assentaram em que havia condições para se criar o Centro de Ultreia. Assim aconteceu. Um grupo cursilhistas leigo, tendo à frente o casal Malice e Alberto Magalhães e o David Lopes da Costa, ficou incumbido da sua formação.Vários foram os sacerdotes que generosamente doaram muito do seu carinho à Ultreia semanal para além do Padre Alcino Vieira e do Padre Martins Fernandes: também o Padre Fernando Cardoso Lemos, o Padre Heitor Pinto, entre outros. O Padre Alcino disponibilizou o Salão Paroquial de Leça da Palmeira, mas como este espaço era também destinado à projecção de cinema, fonte de receita para custear as obras que se iam fazendo, originava que, não raras vezes, a Ultreia tinha de reunir na capela mortuária “com os incómodos que isso trazia”. Ou seja, a assembleia semanal ora era em grande número ou, então, quando era na capela funerária reduzia bastante.

Entretanto, a Ultreia foi transferida para o Salão Paroquial de Matosinhos, mesmo em frente à Igreja Matriz, onde funcionou durante alguns anos, para se fixar nas magníficas instalações do Salão Paroquial da Senhora da Hora, onde reúne actualmente. Portanto, nesta caminhada árdua da Ultreia de Matosinhos, inúmeros têm sido os cursilhistas que fizeram dela um marco importantíssimo do MCC da Diocese do Porto. Alguns já a usufruir do merecido descanso junto do Senhor Deus, em memória eternamente gravada nas páginas da sua história e, de entre estes, realçamos o Dr. Francisco Vila Real. Muitos têm sido os testemunhos de fidelidade ao compromisso em momentos de indecisão, e não podemos deixar de sublinhar alguns deles: além do casal Malice e Alberto Magalhães, os casais Maria da Conceição e António Oliveira, Amélia e Serafim Silva, Teresa e Marinho Faria, Maria Manuela e Daniel Mainsel, o Artur Rocha e o Virgílio Barros. Da área de missão da Ultreia de Matosinhos fazem parte as freguesias de: Matosinhos, Leça da Palmeira, Senhora da Hora, Custoias, Perafita, Santa Cruz do Bispo, S.Mamede de Infesta, Padrão da Légua, Leça do Balio, Guifões, Lavra.

Equipa Coordenadora:
Director Espiritual
Pe. Amaro Gonçalo Ferreira Lopes

Casal Coordenador
Joaquim Manuel Vieira
Benvinda Rosa V. M. Vieira

Local
Centro Paroquial da Senhora da Hora

Ultreia do Porto

Ultreia do Porto

A origem da Ultreia do Porto está intimamente ligada ao nascimento do Movimento na Diocese, com o 1.º Cursilho realizado no Seminário Maior do Porto, de 12 a 15 de Abril de 1961. A Ultreia foi-se realizando semanalmente, primeiro no Seminário da Sé, depois no Salão Paroquial do Bonfim, na Paróquia do Santíssimo Sacramento, no Seminário de Vilar, até se fixar, a partir de 15 de Abril de 1963, e por muitos anos na Cripta da Igreja dos Padres Capuchinhos, no Ameal. Nesses primeiros tempos, perdurando pela caminhada histórica do MCC da Diocese até aos nossos dias, é de realçar a participação dos Padres Capuchinhos, muitos deles passando por um Cursilho de Cristandade, que marcaram profundamente com relevantes serviços de direcção espiritual nas Ultreias, na Escola e nos Cursilhos.

Muitos outros sacerdotes, ao longo da sua caminhada apostólica, lhe têm doado uma força espiritual incomensurável. De entre esses apoios, imprescindivelmente decisivos, de sacerdotes e leigos, destaca-se o seu maior e mais firme alicerce na pessoa do Padre Valdemar Alves Pinto, cuja doação a todos os níveis firmou definitivamente o MCC da Diocese do Porto. A Ultreia do Porto é um marco de inúmeras decisões que marcaram profundamente a História do MCC da Diocese. De entre elas, é de relevar a Ultreia de 10 de Novembro de 1964, na Cripta da Igreja do Ameal, onde foi destemidamente decidida a construção da Casa de São Paulo, em Cortegaça. A Ultreia do Porto não só deliberou como se empenhou no esforço inaudito até à consumação da que é hoje, no aspecto material, um dos maiores motivos de orgulho. A partir da Ultreia do Porto o MCC foi-se expandindo por toda a Diocese, desde Santo Tirso e Vila do Conde, até Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra, até concretizar os actuais 15 Centros de Ultreia.

Após cerca de 10 anos de preparação e de construção, em 1995 foi inaugurada a Casa Diocesana de Vilar, uma das grandes obras de D. Júlio Tavares Rebimbas, Arcebispo Bispo do Porto, também um “incondicional” do Movimento dos Cursilhos de Cristandade. E, a partir dessa data, a Ultreia do Porto passou, definitivamente, a ter o seu espaço semanal numa das modernas salas da Casa. Assim como o Secretariado Diocesano do MCC e as Escolas Complementar e de Dirigentes. Também a maior parte das Clausuras passaram a ser realizadas no seu magnífico e amplo Auditório.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Pe. Artur Jorge da Silva Soares

Coordenador
Mª Cristina de Sousa F. M. Marques

Local
Casa Diocesana de Vilar

Ultreia de Santo Tirso

Ultreia de Santo Tirso

Nasceu em Junho de 1964, três anos após a entrada do MCC na Diocese do Porto, “fruto natural de uma época altíssima de comunhão eclesial, especialmente através da Missão Diocesana, na qual os seus dois maiores impulsionadores, eram precisamente os maiores incentivadores do MCC: o Padre Valdemar Alves Pinto e o Padre António Ferreira Vaz”. Mas o seu principal obreiro foi e continua a ser o Padre Celestino Ramos, Pároco de Santo Tirso, desde 29 de Setembro de 1963. Inicialmente a Ultreia de Santo Tirso contou com o apoio duma equipa da Ultreia do Porto com o Padre Valdemar e o Padre Manuel Vieira, que tinham a seu cargo o desenvolvimento da Ultreia e os temas formativos.

O primeiro casal delegado foi Manuel Ferreira e a Alzira Padrão que, fazendo parte da Escola de Dirigentes, no Porto, interligavam as directivas desta com o funcionamento da Ultreia. Um pouco mais tarde “os eternos mosqueteiros da Ultreia”, amigos de há muitos anos, o Paraíso Machado, o José Medeiros, o José Azevedo e o Abel do Vale, passaram a integrar também a Escola (ao tempo funcionava na Torre da Marca, no Porto) contribuindo para a definitiva independência umbilical, formando a sua primeira Equipa Coordenadora. Reúne numa das salas da Igreja Matriz de Santo Tirso, junto à Escola Agrícola. Serve as freguesias de Santo Tirso, Burgães, Santa Cristina do Couto, S.Miguel do Couto.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Pe. Miguel Filipe Freitas Coelho

Coordenador
Joaquim António Silva Ferreira

Local
Igreja Paroquial

Porto Norte

SubSecretariado do Porto Norte

Casal Presidente
Paulo Nuno Fonseca Loureiro
Maria Rosa Ribeiro Matias

Ultreia de Felgueiras

Ultreia de Felgueiras

Nasceu a 27 de Março de 1988. A Ultreia de Felgueiras teve um pré nascimento quando o Padre Rodrigo da Costa Ferreira, pároco de Santa Eulália de Margaride, entrou para a família cursilhista, pelo 51.º Cursilho, realizado em Junho de 1966.

Em Bitarães e Gondalães, onde foi pároco antes de ir para Margaride, exercitou o entusiasmo que o Movimento lhe transmitia conseguindo contagiar alguns que fundaram a acção do Movimento nessas terras. Depois, em Margaride, para além dos que iam à Ultreia, a Paredes, foi “pescando” cursilhistas, incluindo alguns que haviam participado nos Cursilhos nas ex-colónias, conseguindo juntar um número razoável com os quais fez uma reunião preparatória para a criação da Ultreia, em Fevereiro de 1988.E a festa aconteceu a 27 de Março, no Salão Paroquial de Margaride, O primeiro Reitor foi o Manuel Vaz e Director espiritual o Padre António Maria de Sousa, pároco de Cête e Urrô.

Inúmeros são os testemunhos de fidelidade e de generosidade à missão da Ultreia, e é justo que se evidencie o nome da Maria Amélia Ferreira, irmã do Padre Rodrigo, pelo carinho e doação que tem dado à Ultreia, sendo uma das grandes fontes de entusiasmo e de perseverança. A área de missão da Ultreia de Felgueiras, abarca as seguintes freguesias e lugares: Várzea, Refontoura, Pedreira, Airães, Vila Verde, S.João de Alão, Unhão, Nogueira, Vila Cova, Friande, Sendim, Santo Adrião de Vizela, Vilar de Torno, Cernadelo, Cristelos (Lousada) e Aboim (Amarante).

Director Espiritual

Pe. Manuel Carlos Andrade Moura

Casal Coordenador
José Almeida Macedo
Rosa Maria Dias Coelho

Local
Salão Paroquial de Margaride

Ultreia de Paredes / Penafiel

Ultreia de Paredes / Penafiel

A Ultreia de Penafiel nasceu em Janeiro de 1967. A sua caminhada tem sido robustecida por vários períodos em que as preocupações e anseios eram de ordem extraordinária, especialmente a cíclica falta de instalações para a reunião, desde o Salão anexo à Igreja do Calvário/Penafiel, onde nasceu, passando pela Casa de Emaús, em Baltar, o Salão Paroquial de Paredes, para se fixar no edifício da Obra de Caridade ao Doente e ao Paralítico (O.C.D.P.), onde esteve durante alguns anos.

Também a saída dos cursilhistas de Felgueiras, aquando da formação dessa Ultreia, particularmente alguns considerados grandes líderes, constituiu um dos períodos menos bons em termos de participação. Na sua magnífica história estão inscritos grandes testemunhos de doação, de generosidade e de amor a Deus e à missão divina, como os do Padre António Cândido, que foi seu director espiritual durante vários anos, do Padre Joaquim Moreira dos Santos (Padre Quim), do Padre Marílio da Costa Faria, do Padre António Maria, entre outros. De entre o grupo dos leigos, distingue-se o Ventura Alves de Sá, casal Iolanda e José de Sousa, Dr. Acácio Alves Pereira, o Fernando Peixoto e o Cardoso da Saudade. Da área de missão evangelizadora estão as freguesias de S.Martinho de Recesinhos, Paredes, Vandoma, Rebordosa, Lousada, Penafiel, Urrô. Actualmente reúne no Salão Paroquial de Novelas, próximo de Penafiel.

Director Espiritual

Pe. Mário João Ferraz Rocha Soares

Casal Coordenador
Joaquim Melo Landreiras
Maria Lurdes Melo Ferreira Landreiras

Local
Salão Paroquial de Novelas

Porto Sul

SubSecretariado do Porto Sul

Director Espiritual
Pe. José Manuel Rocha Araújo

Casal Presidente
António Almeida Válega
Maria Dores Correia Freire Silva

Ultreia de Esmoriz

Ultreia de Esmoriz

A Ultreia de Esmoriz nasceu a 16 de Outubro de 1980.É oriunda da Ultreia de Gulpilhares, da qual saíram os cursilhistas que formaram a primeira Equipa Coordenadora e, entre os leigos mais activos relevam-se os casais Dulcina e Manuel Pinto Ferreira, Ermelinda e Manuel Pinto Monteiro, Maria de Lurdes e António Jorge, Maria de Assunção e José Pinto Monteiro. Uns já faleceram e noutros a doença limita as saídas de casa.

A celebração eucarística na noite do seu nascimento foi presidida pelo então Bispo Auxiliar do Porto, D.Armindo Lopes Coelho, concelebrada pelo Padre Fernando Dias da Costa Campos, pároco de Esmoriz, um testemunho magnífico de doação e de generosidade que muito contribuiu para esta “aventura” ilustre.A Ultreia de Esmoriz tem feito um trabalho de evangelização de extraordinária qualidade, a ela se devendo das maiores mobilizações do MCC da Diocese do Porto. A sua área de missão abrange: Esmoriz, Macêda, Cortegaça e Espinho.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Pe. Fernando Dias Costa Campos

Casal Coordenador
Aurélio da Silva Gomes
Maria Manuela A. F. Silva Gomes

Local
Salão Paroquial, junto à Igreja de Esmoriz.

Ultreia de OIiveira de Azemeis

Ultreia de Oliveira de Azemeis

Nasceu a 3 de Janeiro de 1991. Inicialmente e durante muitos anos, os cursilhistas de Oliveira de Azeméis deslocavam-se semanalmente para a Ultreia de S.João da Madeira. Até que o número foi crescendo graças aos Cursilhos que foram sendo realizados, e de onde iam saindo vários cursilhistas (mormente do 138.º, em Fevereiro de 1978, e do 175.º, em Fevereiro de 1979, ambos de Homens), chegando aos 40 casais. Na Abertura Solene das Actividades, em 25 de Outubro de 1990, quando o Moisés de Pinho Santos, na altura Presidente do Subsecretariado Porto Sul, defendeu que Oliveira de Azeméis já tinha um número razoável de cursilhistas, o Senhor D. Júlio Tavares Rebimbas, Arcebispo Bispo do Porto, manifestou vontade em ver nascer novos Centros de Ultreia nas Vigararias onde se justificasse.

Motivados por este apoio, uma equipa de leigos impulsionada pelo Padre Albino de Almeida Fernandes, pároco de Oliveira de Azeméis, envidou esforços para a criação do Centro de Ultreia naquela zona. De entre eles, distingue-se o Artur Gomes da Cruz e seu irmão Alberto Cruz, Artur Pinho, Diamantino Moreira, Manuel Morgado, José António e Arménio Santos. Também, com o apoio indispensável de alguns sacerdotes: Padre Manuel da Silva Pereira, Padre Belmiro da Costa Pinho, Padre Manuel Pereira Reis e Padre Alves de Pinho Santiago e Professor Manuel Alves de Paiva. O Padre Albino Fernandes desde logo disponibilizou um espaçono Salão Paroquial para que a Ultreia fosse uma realidade. E na noite de 3 de Janeiro de 1991 nasceu a Ultreia de Oliveira de Azeméis. Reúne no Salão Paroquial, junto ao Lar de S.Miguel. Serve as freguesias Oliveira de Azeméis, Pinheiro da Bemposta, São Tiago de Riba Ul, Loureiro, S.Martinho de Gândara e Macinhata de Seixa.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Pe. Albino Fernandes

Casal Coordenador
João Paulo Cabral Silva
Maria de Fátima Loureiro Ferreira Silva

Local
Salão paroquial

Ultreia de S.João da Madeira

Ultreia de S. João da Madeira

O dia 12 de Janeiro de 1966 é a data do início da caminhada da Ultreia de S.João da Madeira.O Secretariado Diocesano do MCC, inspirado pelo Senhor que escolhe sempre os melhores entre o melhor, teve no Carlindo de Oliveira, no José Lima, no Fernando Ribas e no Domingos Oliveira, os primeiros instrumentos fiéis para a concretização do projecto divino. Depois, muitos outros, igualmente dos bons, foram-se juntando: o Zeca Tavares, o David Freire, o Amadeu Oliveira, o Armando Guimarães, o Viriato Ferreira, o Rufino de entre todos eles.

O Padre Moura de Aguiar, pároco desta freguesia durante cerca de meio século, foi seu primeiro director espiritual muitos anos (foi o director espiritual do 1.º Cursilho Regional), cedendo as instalações do magnífico Centro Paroquial, junto à Igreja Matriz. Dela foram geradas outras três fecundas Ultreias: Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira e Vale de Cambra.

Para lá da total disponibilidade, carinho e testemunho de grande amor ao Movimento dos Cursilhos, do Padre Manuel Caridade Pires, sacerdote missionário dos Passionistas, e do Diácono permanente António Carvalhos Poças, uma equipa de 16 sacerdotes, na sua maioria pertencentes aos Padres Passionistas de Santa Maria da Feira, e alguns do Seminário de Cucujães, para além de párocos, ao serviço de um por mês, desenvolvem, com notável preparação e eficaz solicitude, um trabalho valiosíssimo de formação e de incentivo evangelizador. São da sua área de missão as freguesias de S.João da Madeira, Arrifana, Cucujães, S.Miguel do Souto, Cesar, Sanfins, Escapães, Mosteirô.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Pe. João Paulo da Silva Valente

Casal Coordenador
Luís Pinho Moreira
Maria de Lurdes da Silva Resende

Local
Centro Paroquial de S.João da Madeira.

Ultreia de Santa Maria da Feira

Ultreia de Santa Maria da Feira

Nasceu a 27 de Novembro de 1987. Oriunda da Ultreia de S.João da Madeira, a história desta Ultreia é das mais ricas em espiritualidade, graças à têmpera dos seus cursilhistas, arreigados a uma religiosidade fiel, sentida, vibrante, imagem da dignidade com que vive o seu dia-a-dia. Muitos são os líderes do entusiasmo da caminhada e, de entre eles, é justo salientar o Padre Manuel Soares dos Reis, muitos anos pároco de Santa Maria da Feira, marco de uma dedicação, de disponibilidade e de doação sem limites ao Movimento dos Cursilhos. Também os Padres Passionistas da Congregação da Paixão de Jesus Cristo, do Seminário Menor em Santa Maria da Feira, têm desde sempre dedicado à Ultreia um carinho e disponibilidade muito particulares. Dos leigos, saliente-se o casal Dorinda Soares e Manuel Baltarejo, a Maria e Manuel Ferreira Maia, a Clementina e Manuel Ferreira, o António José Neves, o José Carlos e o António Rocha, entre outros, inclusive dirigentes da Ultreia de S.João da Madeira que incitaram e ajudaram na concretização deste sonho. A sua área geográfica de missão abrange as freguesias de Santa Maria da Feira, Fornos, Mosteirô, Rio Meão, S.João de Ver, Travanca, Escapães, Sanfins, Souto e Fiães. Reúne no edifício da Casa do Povo de Santa Maria da Feira.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Diácono António Poças

Casal Coordenador
Paulino Pereira Sá
Isabel Reis Resende Sá

Local
Casa do Povo

Ultreia de Vale de Cambra

Ultreia de Vale de Cambra

Nasceu a 8 de Outubro de 1998.Inicialmente e durante vários anos, os cursilhistas dos lugares desta zona deslocavam-se à Ultreia de S.João da Madeira. O número de cursilhistas “antigos” cifrava-se em cerca de 150. Destes, é de realçar o entusiasmo decisivo que levou à formação da Ultreia, do casal Maria Almeida e Carlos Coutinho, da Preciosa e José de Almeida Bréu, da Carla Maria e António Máximo, da Maria de Fátima e Nelson da Silva Martins, de entre todos.

E, embora a assembleia já pudesse justificar a abertura de um Centro de Ultreia nestas belas terras da “Suíça portuguesa”, quase a declinar o ano de 1997 o Padre João Manuel Ribeiro, pároco de Vila Chã, envidou esforços conseguindo uma equipa de oito casais que, com ele próprio, participaram nos Cursilhos imediatos, precisamente o 238.º de Homens e o 178.º de Senhoras. E, juntamente com os “antigos” convidou a assumir o compromisso o nascimento da Ultreia de Vale de Cambra, que aconteceu em 8 de Outubro de 1998, uma noite bela e inolvidável.

A Ultreia de S.João da Madeira continuou a apoiar através de dois dos seus grupos: do Carlindo de Oliveira e do Armando Guimarães.São da sua área de missão: Vila Chã – Codal, S.Pedro de Castelões, Macieira de Cambra, Carregosa, Roge, Vila Cova de Perrinho, e Capelos. Reúne na Cripta do Santuário de Santo António, em Vale de Cambra.

Equipa Coordenadora:

Director Espiritual
Pe. José Manuel Rocha Araújo

Coordenador
Hermínio Almeida

Local
Cripta Santuário Stº António