– “Pai nosso …”

– “Sim?”

– “Não me interrompa, estou a rezar.”

– “Mas tu chamaste-me.”

– “Eu chamei-te? Eu não te chamei, eu estava a rezar. Pai Nosso que estais no céu …”

– “Eis me aqui, chamaste-me de novo.”

– “O quê?”

– “Tu chamaste-me. O que aconteceu contigo?”

– “Não aconteceu nada. Eu apenas repeti a minha oração diária. Eu sempre rezo assim. É o meu dever, eu sinto…”

– “Está bem. Continua.”

– “Santificado seja o vosso nome …”

– “Espera, o que queres dizer?”

– “Do que é que estás a falar?”

– “Santificado seja o vosso nome?”

– ” Bem… Significa. Hummm, não sei… Faz parte da oração. Na verdade, o que significa?”

– “Significa que eu, teu pai, sou digno, maravilhoso, santo.”

– “Agora entendo. Eu não sabia o que significava “santificado”. Venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu.”

– “Tu realmente queres isso? Que seja feita a minha vontade?”

– “Claro, por que não?”

– “E o que vais fazer?”

– “Escute-me, Senhor, tenho que terminar de rezar. Normalmente não me ocupa muito tempo. Dai-nos o pão nosso de cada dia …”

– “Tu tens que tirar isso.”

– “E porquê?”

– “Tu estás a preocupar-te demais com o amanhã.”

– “Eh, espere. Estou a tentar rezar e tu estás sempre a interromper e a falar sobre os meus defeitos.”

– “Tu sabes que rezar há o perigo de acabar por ser atendido. Tu me chamaste, e aqui estou eu. Continua.”

– “Estou com medo…”

– “Do quê?”

– “Não sei o que tu me vais dizer…”

– “Experimenta e verás.”

– “Perdoe as nossas ofensas assim como perdoamos a quem nos tenha ofendido…”

– “E tu perdoaste?”

– “Não posso perdoá-lo, tu sabes.”

– “E a tua oração, porque estavas a rezar?”

– “Eu disse sem pensar…”

– “Se tu estás a rezar, não porque queres falar comigo, mas porque deves fazê-lo, então é apenas obrigação … eu não estou lá. Eu escuto o coração e não as palavras … “

Escreva um comentário

*

O seu endereço de email não será publicado.

© 2020 MCC - Diocese do Porto